Serviço, Honra e Conhecimento

Quem demanda pela Ordem de Cavalaria e sente no mais profundo âmago do seu Ser, um desejo avassalador de se cumprir, tem um longo e árduo Caminho a percorrer.
Esse Caminho pode ser feito de Devir antes deste se tornar Dever.
Devir : tudo o que é Desejar, Gostar e Prazer – não falo de conceitos profanos e materialistas mas daquilo que nos aproxima da Felicidade verdadeira.
Dever : tudo o que é Vontade, Querer e Poder – ‘de factu’ e nunca ‘de juris’ ie sem fantasias nem ilusões mentais ie emocionais, racionais e espirituais.
O Dever ordenado pela mui Nobre e Sancta Ordem de Cavalaria de Cristo envolve sacrifício (é um Sacro Ofício, o Ofício do Escudo) e um sentido de Serviço que não é apenas ontológico mas obedece a uma filogenia singular e a uma capacidade, de pensar e agir, projectada por várias e muitas gerações futuras.

O Sacro-ofício de Cavalaria não é para todos mas o Caminho aberto e mantido pela Cavalaria de Cristo pode ser acedido por todos os que querem Honrar o sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo, através do Serviço ordenado e a coberto da Ordem de Cavalaria. Assim nasceu o Templar Corps (https://templarcorps.org/): “…a group of men and women with a Templar background, organized locally in units spread across the world, ready to put their energy, passion and intelligence at the service of mankind.”

O Templar Corps é feito de Devir mesmo que este ainda não seja Dever Cavaleiresco e Sacro Ofício de Cavalaria. É para todos os poucos que ainda resistem no mundo e que não cederam ao desânimo e à resignação do que é quase nada por sempre ter sido pouco, inútil e fútil.

Para os que demandam pelo Templo de Salomão e pela Companhia da Cavalaria de Cristo, têm no Templar Corps a oportunidade de provarem a eles mesmos que servem para Servir e que merecem estar mais próximos dA Casa da Cavalaria de Cristo, independentemente de um dia, ao nascer do Sol Invictus, se descubram a si mesmos na e pela mui Nobre e Sancta Ordem de Cavalaria.

CORAGEM & FORÇA !!!

Miguel Guerreiro da Fabiana, KGOTJ
Hospitalário GP Portugal OSMTHU

The Call …

 

Dear Brothers and Sisters, Knights and Ladies, Elders in the Templar Faith ; we of theTemplar Corps, gathered around our spiritual Mission, we, very dedicated to the cause of the man ! For several centuries, men with greats hearts, have joined together to create groups, associations, organizations with a purely humanitarian vocation. Those texts of constitution of each branch of the Templar’s Order, have always given, as duties to all the Knights and Ladies, to regroup, organised themselves to work for the well-being of the World on the plans of: Safe, Education, social economic and cultural.

Faced with the escalation of the Social and humanitarian crisis and the violence that has raged for decades in the world; Faced with the disparity of basic humanitarian principles; Given the increase in the suffering of children, who are nevertheless considered as the future of each Nation.

Faced with the deterioration of morals and, where appropriate, the corruption of childhood, which develop particularly. Given our original mission, “none for us” can refrain from renewing our oath and stand up to fight the dehumanization and especially the attack on life and indifference characteristic of the Man of the 21st century. It is indeed imperative, but also, honorable, for the knights and ladies, Templars, to rise, as at the time of the crusades, and protect humanity, securing the future of children and others needed.

Faced with a catastrophic humanitarian crisis against childhood, adolescence and poorest or vulnerable people, the Knights Templars want, need and can set up help and support measures.

We must get to work and how

Like the hospitables houses and castles in which were installed Templars Commanderies, guarantors of the hospitality of the Templars of Jerusalem throughout the West and several countries in the world, The Initiative Templar Corps International inspired by our brothers of The OSMTHU, like the project “LA CENTRALE DES ŒUVRES TEMPLIERES POUR L’ENFANCE” (Central Templars’s Works for Children), abbreviated “LA COTE”, whose conception and realization are at the heart of the OSMTJ Humanitarian Mission in Africa based in Cameroon, can partly help, a prompt and permanent presence of Templars at the great Humanitarian table of the World. So, Let us help poor to find, peace, justice, education, health but above all … a life in our Castle: Our Heart . by taking to heart the projects and initiatives that are set up by the management of TCI but above all let us be the first actors of this great challenge which is not new for the Knights Templar that we have always remained over time and  space.  Let’s be in charge again for the fate of humanity which is in a new identity crisis.  Let us be the Soldiers of Peace in the World as our destiny has always been since ancient Jerusalem since Godfrey and his Eight Brothers.

For always remember that we made this promise to him: “not for us, but to his name be the Glory”

Templar Corps Signs Protocol with Sigillum Templi, main Spanish speaking Templar study club

The Templar Corps International (templarcorps.org) – Academy has signed a Protocol with Sigillum Templi the largest and most important Spanish speaking Templar research club. The first joint initiative is an online Study Course in Spanish about the Order of the Temple, starting the 25th of July.

In a short interview, Victor Padilla Nieto, Administrador General, gives us an idea of what we can expect from this collaboration.

TEMPLAR GLOBE: Victor, tell us about Sigilum Templi, how old it is and what kind of research or investigation you have published?

VICTOR PADILLA NIETO: Sigillum temple is a project created in 2015 by a multidisciplinary group that
studies History, mainly in the period of the historical Order of the Temple. This involves a series of lines of research to understand and subsequently disclose the environment where the Poor Companions of Christ appeared and their heritage.

TG: How can we join Sigilum Templi?

VPN: We have different ways of making this work available: a very dynamic Facebook page , a Medieval blog with more than 1500 entries, a radio program program that investigates the Hidden Keys to History and a website where research can be shared and with a private area for members.

TG: Is there a bulletin or magazine to subscribe?

VPN: Yes. For a few months now we have had two types of publications. A free and digital one called Cartularium Templi, which is published in PDF and distributed via Facebook and the web, and another under annual subscription, the Codice Sigillum, printed in full color with about 100 pages, authored by the most prestigious columnists and connoisseurs of the Middle Ages in general and of the Order of the Temple in particular.

TG: How important is the history of the Templars in the context of the Reconquista?

VPN: The importance of the reconquest in the Iberian peninsula by the order of the Temple is vital. The different peninsular Christian kingdoms cannot be conceived without their help. Mallorca, Valencia, Murcia, Seville, Algarve, among many others, are territories won by the Temple to the different kingdoms mentioned. Their participation in the conquest of Calatrava the old and the unequivocal victory in the Navas de Tolosa in which the chronicles highlight the Knights Templar as the most fearless.

TG: What motivates this partnership with Templar Corps?

VPN: The main reason for this association with Templar Corps is to be able to spread the story without dogmatism. Templar Corps is endorsed by a team of freethinkers that differentiates them from most entities with other, more or less, purposes with an agenda. Both Sigillum Templi and the Templar Corps are self-sufficient and independent entities.

TG: What can a student of this Course expect to learn?

VPN: In this Course, students will become fully aware of the vital importance of the Order in the Iberian Peninsula, and not only this, but they will also learn basic esoteric knowledge to understand the reason for many of their actions and the meaning behind them.

TG: Are science, art, architecture, knowledge and Templar spirituality relevant today or is it just a nostalgic reminder of the past?

VPN: Of course they are important. Nothing to do with nostalgia for the past. Templar iconography reveals to the initiate a path to esotericism. The sacred geometry applied to constructions has been increasingly valued with the application of new technologies of the 21st century. The organization of the Commanderies is a milestone in the Middle Ages. Food is regulated and applied with notions of dietetics and food hygiene… In summary, the continuity that ensures that the Order of the Temple is part of the Great Ancestral Tradition, shows the enormous knowledge that has been transmitted to all and for all.

Thank you Victor. We wish you the best for the Course.

You can find more information here:

Corpo de Serviço Templário no Algarve

Bom dia,

venho falar-vos um pouco deste nosso trabalho em construção na região do Algarve.

Desde há bastante tempo que as acções de serviço voluntário e humanitário, caritativas, são uma realidade entre nós, na Comenda de Laccobriga, sem, contudo, tomarem uma estruturação formal e de continuidade.

Com o advento deste novo projecto internacional da OSMTHU, através da implementação do Templar Corps International, abriu-se uma nova janela de oportunidade para que, através da união de vontades dispersas, possamos desenvolver um Serviço nas comunidades locais da região, de forma estruturada e continuada, formal e regular.

Para tal, aceitamos todos aqueles que, imbuídos deste espírito de missão, desta vontade e querer contribuir para um mundo melhor, possam juntar o seu trabalho ao nosso e, pelo conjunto, o resultado venha a ser profícuo e valoroso.

Qual o perfil do voluntário?

Gente de bom Coração e bons costumes. Gente que aprecie o sorriso de felicidade e de bem-estar plasmado na face de quem beneficia do nosso labor. Gente que assume e que cumpre a missão para a qual aceitou ser indigitada. Gente que se cumpre, que se realiza, no contribuir por um mundo melhor. Gente que reconhece e que sabe, que se identifica, com a matriz Templária de proteger e apoiar, mesmo que não sendo membro da Ordem (ou de qualquer Ordem ou de qualquer Organização formal, fraternal, nem mesmo de uma Associação), mas que sinta este impulso do cooperar activamente.

Como proceder?

Inscrever-se como membro no Templar Corps International e solicitar a conexão ao outspot do Algarve.

Victor Varela Martins

Knight Commander

Bolivia supera los 19.000 casos positivos por Covid-19 y total de fallecidos ascienden a 630

En las últimas 24 horas se registraron más de 600 contagios, más de la mitad de ellos en el departamento de Santa Cruz, epicentro de la pandemia en el país.

La cifra de personas infectadas en Bolivia por el nuevo coronavirus ha superado este lunes el umbral de los 19.000, después de registrar más de 600 contagios en un solo día, más de la mitad de ellos en el departamento de Santa Cruz, epicentro de la pandemia en el país sudamericano.

El Ministerio de Salud boliviano ha confirmado 614 contagios adicionales en 24 horas, lo que eleva el balance provisional de positivos hasta los 19.073. Solo en Santa Cruz, se han registrado 317 infectados más, hasta un total de 11.741, evidenciando una curva ascendente que preocupa a las autoridades.

El ministro de Defensa, Fernando López, ha anunciado tras la reunión del Comité de Operaciones de Emergencia Departamental (COED) que este martes comenzará un rastreo “casa por casa” en busca de posibles casos. Será el registro “más grande de Bolivia”, para lo cual ha pedido la colaboración de todos, desde fuerzas de seguridad a empresas privadas pasando por las propias familias, según el diario boliviano ‘La Razón’.

in Latercera.com


Fuerza a nuestros hermanos en Bolivia.

Siguen las recomendaciones del Dierctório Nacional de Bolívia del Templar Corps. 

As Epidemias Silenciosas

Enquanto o mundo se debate contra a pandemia do novo coronavírus, os velhos inimigos estão à espreita – e raramente há espaço para falar deles. Nos países em desenvolvimento já falta tudo: desde antivirais para os infetados com HIV, diagnóstico e tratamento de tuberculose ou redes mosquiteiras, para evitar a dengue e a malária – só esta última doença matou mais de 400 mil pessoas em 2018. Numa altura em que tantos sistemas de saúde estão entupidos com casos de covid-19, a época das monções aproxima-se a passo rápido do sub-continente indiano e de países da África Oriental, como Moçambique. As chuvas torrenciais, a partir do início de junho, deixarão para trás grandes corpos de água parada, ideais para a reprodução de mosquitos.

«Umas duas ou três semanas depois de começar a chover aumentam os casos de malária», explica ao SOL Jorge Seixas, diretor da Unidade de Clínica Tropical, do Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT), da Universidade Nova de Lisboa. «Nessas áreas, não há um mal que venha sozinho», lamenta.

Estamos a falar de uma catástrofe a uma escala colossal, mesmo comparada com a covid-19, que já matou mais de 335 mil pessoas em todo o planeta – um número que continuará a subir. As previsões, da OMS e várias universidades, apontam que as mortes por malária possam duplicar em 2020, devido aos estragos da pandemia, com uns 6,3 milhões casos adicionais de tuberculose entre 2020 e 2025, bem como 500 mil mortes extra de pacientes com HIV, entre 2020 e 2021.

Olhando para os números e para falta de resposta, é difícil não recordar o que estas doenças infecciosas têm em comum: afetam sobretudo países em esenvolvimento. Aliás, certa vez, numa TED Talk, Bill Gates, cuja fundação se tem dedicado ao problema, queixou-se que há mais investimento na investigação à cálvice masculina do que à malária. E importa lembrar que em 2016 gastou-se o equivalente a uns escassos 4 mil milhões de euros no combate à doença – ficou-se uns 2 mil milhões de euros abaixo do objetivo da Organização Mundial de Saúde (OMS).

«O nosso amigo Bill tem assim umas imagens interessantes», diz Jorge Seixas, entre gargalhadas. «Mas é verdade. Porque estas doenças tropicais atingem populações carenciadas, que não têm visibilidade política, em países com dificuldades sérias de gestão dos seus sistemas de saúde. E por não atingirem – por enquanto – com grande intensidades países ricos», considera o médico do IHMT. Afinal, «a indústria farmacêutica, não é uma instituição de beneficência », salienta.

«A indústria farmacêutica visa distribuir lucros aos seus acionistas».

‘Quando vamos para África, é um bocadinho diferente’

Uma das grandes questões por responder é qual a interação entre o SARS-Cov-2, o vírus que causa a covid-19, e todos estes parasitas, bactérias e outros vírus: simplesmente ainda é demasiado cedo para se saber.

«Aquilo que tem sido publicado até agora ainda não é conclusivo», acautela Ana Abecasis, diretora da Unidade de Saúde Pública Internacional e Bioestatística do IHMT, cujo trabalho de investigação ao HIV tem sido premiado. Curiosamente, no que toca às pessoas infetadas por este vírus, «não parece haver grande preocupação de que esses doentes tenham especial risco de desenvolver uma doença grave por covid», considera a investigadora.

É que, apesar do HIV debilitar o sistema imunitário, há a possibilidade dos tratamentos diários antivirais a que obriga tenham alguma ação contra o SARS-Cov-2. Alguns hospitais já os têm utilizado para tratar o novo coronavírus, «obviamente, sem evidência que haja efeito contra o vírus», salienta Abecasis. «Até porque não há nenhum medicamento que tenha comprovadamente mostrado eficácia contra a SARS-Cov-2». Desde que que os pacientes estejam bem tratados, ou seja, com uma carga viral suprimida, os efeitos do HIV são muito poucos.

«Claro que quando vamos para África as coisas são um bocadinho diferentes. Ainda podemos ter doentes que não tenham a infeção controlada», nota a investigadora. Se a situação não era fácil, piorou com a perturbação na distribuição de antivirais causada pela pandemia. «Vamos ter problemas. A nossa preocupação o ano passado, na sequência dos ciclones Idai e Kenneth, em Moçambique, também foi o acesso a medicamentos», relembra.

«Os doentes que não sejam medicados adequadamente vão voltar a ter cargas virais detetáveis. O perigo, por um lado, é voltarem a evoluir na infeção. Por outro, podem transmiti-la». Ao tomarem medicamentos de forma irregular, «podem desenvolver estirpes resistentes, diferentes das que já conhecemos», receia Abecasis – algo particularmente grave em países mais pobres. É que nos mais países desenvolvidos, «todos os doentes diagnosticados com a infeção HIV imediatamente fazem um teste de resistência», explica a investigadora. Se der positivo, recebem os medicamentos adequados, sem problemas de maior – o tratamento é simplesmente mais caro. Contudo, «em África os testes de resistência
não estão disponíveis».

Mosquiteiros e milagres

«O verdadeiro custo da covid–19 em África vai ser  medido mais pelo seu impacto nas outras doenças», declarou Peter Sands, diretor do Fundo Global contra Sida, Tuberculose e Malária, a semana passada. «Uma das grandes conquistas dos últimos anos foi a redução da mortalidade infantil devido à malária», considerou. «O ‘truque’ é a criança ser diagnosticada e tratada em 24 horas. E isso não vai acontecer se houver disrupções dos serviços de saúde».

As medidas de prevenção contra a doença também começam a ficar para trás. Dado que a malária é um parasita transmitido por um mosquito – «uma mosquita aliás, é a fêmea do mosquito que a transmite», ressalva Jorge Seixas – a primeira coisa é evitar o contacto com estes insetos. «A medida mais importante é a utilização de redes mosquiteiras, impregnadas com inseticida, debaixo das quais as pessoas dormem», explica.

Outra preocupação é que se esgotem os medicamentos para a malária, muitos dos quais estão a ser apresentados como ‘curas maravilha’ para a covid-19, sem qualquer evidência científica disso.

O primeiro exemplo que vem à cabeça é a hidroxicloroquina, cujos méritos são exaltados por líderes mundiais como Donald Trump e Jair Bolsonaro – mas o medicamento nem é o mais problemático. «A hidroxicloroquina já não é utilizada no tratamento da malária, em nenhum país no mundo. Já não funciona, o parasita da malária ganhou resistência», nota Seixas – o medicamento só faz falta a doentes como lupus ou artrite reumatoide. No que toca à malária, o problema pode ser um ‘chá milagroso’ contra o novo coronavírus, produzido em Madagáscar, que dá pelo nome de Covid-Organics.

«É feito a partir de uma planta que se chama artemísia. E dessa planta tiram-se medicamentos para a malária», explica o médico. «Levanta alguma preocupação, se o chá começa a ser muito usado em África».

Doença da pobreza

Além da malária e do HIV, a terceira das chamadas ‘Big Three’, as doenças da pobreza, é a tuberculose – que continua a ter uma incidência significativa em Portugal. As estatísticas mostram que o país fez avanços quanto à doença, mas teme-se que a pandemia deite tudo a perder.

De momento, verifica-se uma diminuição nos diagnósticos de tuberculose, «o que poderá significar casos de doença ainda não diagnosticados com consequente infecciosidade», explicou ao SOL Isabel Carvalho, diretora do Programa Nacional para a Tuberculose, da Direção Geral da Saúde.

É que, enquanto estamos todos preocupados com covid-19, «a tuberculose apresenta sintomas semelhantes a outras infeções respiratórias, tal como a tosse produtiva, febre e astenia», nota a médica. «Frequentemente, estes sintomas são desvalorizados, podendo conduzir ao atraso no diagnóstico», avisa, lembrando: «O início precoce do tratamento protege a família e conviventes e melhora o prognóstico».

Não que seja tudo más notícias. «O isolamento social, as medidas de etiqueta respiratória e de utilização de máscara permitem também ajudar na diminuição do contágio inerente à tuberculose», afirma a dirigente de saúde.

Ainda assim, a nível mundial, a brutal crise económica causada pela pandemia «terá repercussão no aumento de doenças infecciosas como a tuberculose, frequentemente associadas a grupos mais vulneráveis e com menor possibilidade de acesso aos cuidados de saúde», alerta Isabel Carvalho.

Trata-se de uma doença silenciosa e esquecida. «Quanto menos tuberculose, menos pensamos nela. E mais tarde será o diagnóstico, com consequência para a família», lamenta a médica.

No entanto, as ‘Big Three’ nem sequer estão entre as doenças mais negligenciadas – estas são literalmente apelidadas de ‘Doença Tropicais Negligenciadas’. A lista é longa e incluí nomes como dengue, leishmaniose, úlcera de Buruli ou a chicungunha. A OMS estima que mais de mil milhões de pessoas sofram de alguma destas doenças, um pouco por todo o mundo – mas sobretudo em países em desenvolvimento.

in SOL, Maio 2020, por João Campos Rodrigues